Cintilografia Cerebral Perfusional

Os aproximados 100 bilhões de neurônios que compõem nosso cérebro são capazes de processar informações e de controlar nosso comportamento. Isto se dá através de complicado sistema de sinais elétricos e neuroquímicos que interligam as diversas partes do sistema nervoso central. Esta integração permite que desempenhemos nossas atividades diárias, assim como, possamos manter nossas funções vitais. Toda essa organização dinâmica do cérebro (atividade dos neurônios) tem sua origem em nossa carga hereditária, sendo modificada pela experiência e pelo desenvolvimento individuais durante toda a vida. Para que os neurônios possam exercer sua atividade é necessário um suprimento constante de glicose (açúcar) e de oxigênio, os quais são fornecidos pela circulação sanguínea. Desta forma, a atividade neuronal e o suprimento sanguíneo arterial são diretamente proporcionais, ou seja, quando há aumento da atividade dos neurônios (por exemplo, abrir os olhos e enxergar), há aumento da irrigação sanguínea da área cerebral encarregada da visão. Ao contrário, se houver redução da função dos neurônios (por exemplo, fechar os olhos), há redução da necessidade de glicose e oxigênio com conseqüente redução do suprimento sanguíneo na área encarregada da visão.

O que é a cintilografia cerebral perfusional?

Cintilografia Cerebral PerfusionalA cintilografia cerebral perfusional é uma técnica diagnóstica que permite a obtenção de imagens tomográficas da distribuição tridimensional de radiofármaco aplicado endovenosamente e que reflete a distribuição sanguínea regional do mesmo pelo cérebro . Este radiofármaco (dímero da etilcisteína marcado com Tecnécio-99m) aplicado em dose mínima, não apresenta qualquer efeito colateral e os estudo dosimétricos indicam que a exposição do paciente à radiação é mínima (equivalente a um estudo radiológico convencional do tórax – Rx do pulmão). Uma vez aplicado em veia periférica (por exemplo, no braço) circula através do corpo e, em parte, se fixa nos neurônios do cérebro, em proporção ao fluxo sanguíneo regional. Portanto, permite o estudo da função cerebral regional através das imagens da distribuição funcional do sangue como descrito acima.

Quais os tipos de imagens do cérebro que podem ser obtidas?

A distribuição do radiotraçador injetado é detectada por aparelho denominado “Gama-câmera” (Figura 2) e as imagens formadas são tomográficas (tridimensionais) nos planos axial, coronal e sagital, permitindo maior sensibilidade diagnóstica e individuação de estruturas cerebrais (Figuras 3a, 3b e 3c) . As imagens da cintilografia perfusional cerebral representam o estado funcional regional do sistema nervoso central e não possuem resolução anatômica muito detalhada. Com o objetivo de obter-se a desejada resolução de estruturas cerebrais diminutas, o atual estágio de desenvolvimento computacional permite a sobreposição das imagens de ressonância magnética ou da tomografia computadorizada àquelas da cintilografia (Figura 4).

Que devo esperar quando da realização da cintilografia cerebral perfusional?

É importante trazer consigo todos os exames previamente realizados (estudos de Rx, tomografia computadorizada, ressonância magnética, ultra-sonografia, cintilografia, hemogramas e outros estudos laboratoriais) e lista das medicações em uso. Não é necessário qualquer preparo na véspera do exame. pacientes do sexo feminino em idade pacientes do sexo feminino em idade fértil devem informar da possibilidade de gravidez ou da ocorrência de amamentação, nestas situações indicada com raríssimas exceções. A aplicação endovenosa do radiotraçador é inerte e sem contra-indicações, sendo realizada em posição deitada, sem efeitos colaterais. Antes da injeção endovenosa, o paciente permanecerá isolado em repouso por aproximadamente 5 minutos (ambiente silencioso, com pouca luz e sem conversar) com instalação de pequena quantidade de solução fisiológica endovenosa para que não haja estímulo doloroso no momento da aplicação do radiotraçador. Após a injeção, o paciente permanece em silêncio no mesmo ambiente por mais 5 minutos, não é necessária nenhuma outra medida. As imagens serão obtidas aproximadamente 20 a 60 minutos após devendo ser esvaziada a bexiga imediatamente antes. Idealmente deve-se reservar em torno de 2 a 3 horas desde a chegada à Cardionuclear até a liberação final. Usualmente a obtenção das imagens dura aproximadamente 30 minutos. Quando for o caso, a cintilografia obtida será comparada com possíveis exames prévios e interpretada por médico experiente com descrição dos achados em laudo que será enviado a seu médico.

Cintilografia Cerebral Perfusional1

Cintilografia Cerebral Perfusional2

Fonte:<http://www.cardionuclear.com.br/conteudo/cintilografia_cerebral.htm> acessado em 16 de junho de 2010

Tatiane Lessa

Responsável pela coluna de Medicina Nuclear Currículo: -Tecnólogo em Radiologia pela Faculdade Santa Marcelina-FASM -Participações em eventos: - Congresso da Semana da Radiologia da Faculdade Santa Marcelina de 2005 á 2009. - Área de atuação: Medicina Nuclear

2 comentários em “Cintilografia Cerebral Perfusional

  • 01/07/2010 em 11:56
    Permalink

    é mais um subsidio importante a cintilografia cerebral em 3D, para tumores cerebrais sejam malignos ou benignos?
    Serafim Moreno Braz – Tecnologo em Radiologia Plena – CRTR-SC 00021.

  • 21/02/2013 em 09:28
    Permalink

    este é o exame que irei fazer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *