artérias coronáriasO miocárdio precisa de um aporte de oxigênio em potencial, para isso se faz necessária uma circulação específica. No caso, os vasos coronarianos são os responsáveis pelo suprimento arterial. Para compreensão de exames como a cineangiocoronáriografia, é preciso conhecer a anatomia desses vasos.

As artérias coronárias direita e esquerda, fontes de suprimento arterial do coração, estão imersas no epicárdio. Originam-se da parte ascendente da aorta (seio aórtico).  Os óstios das artérias coronárias se localizam acima das margens aderentes das cúspides das válvulas semilunares da aorta, entretanto, essa descrição deu margem a discussões em que as cúspides das valvas pudessem obstruir os óstios coronários no momento da sístole ventricular. Apesar das especulações, observações em peças anatômicas mostram que os óstios coronários se posicionam normalmente mais altos nos seios aórticos.

Muitos dos ramos das artérias coronárias estão descritos em trabalhos especializados como a descrição feita por Junior et al (1993) e DiDio (2002), e nem sequer constam na Terminologia Anatômica (Editora Manole, 2001).

A artéria coronária direita possui seu óstio de origem no seio aórtico, ou se levarmos em consideração o posicionamento cardíaco no mediastino, essa artéria se origina no seio aórtico anterior. Direciona-se para a direita, emergindo entre o tronco pulmonar e a aurícula direita, percorrendo o sulco coronário. A artéria coronária direita fornece diversos ramos para o átrio. Estudos como o de Hudson (1965 – REB – Cardiovasculares Pathology, Arnold, London), que observou 300 corações humanos e, de Caetano et al (1992), com 100 corações humanos injetados, demonstraram que em 55% e em 58% (respectivamente), dos casos a artéria coronária direita origina a artéria do nó sino atrial. A artéria do nó sino atrial é o primeiro ramo da artéria coronária direita, percorre a parede anterior do átrio direito e, circunda o óstio da veia cava superior, alcançando o nó sinoatrial, formando uma rede perinodal.

Próximo da origem da artéria do nó sino atrial, a artéria coronária direita origina a artéria do cone arterial, um pequeno ramo que se distribui para o cone arterial e por vezes se anastomosa com ramos da artéria coronária esquerda.

À medida que a artéria coronariana percorre o sulco coronário, envia artérias para o átrio direito – artérias atriais direitas. Quando se aproxima da junção das faces inferior e direita do coração, emite a artéria marginal direita, que supre as faces anterior e posterior do ventrículo direito. A partir desse ponto, a artéria coronária direita alcança a face diafragmática do coração e, percorre da direita para a esquerda o sulco coronário, emitindo a artéria interventricular posterior, que ocupa o sulco interventricular posterior.

A artéria interventricular posterior fornece ramos para a face diafragmática de ambos os ventrículos, origina as artérias septais posteriores, que suprem o 1/3 posterior do septo interventricular. Em cerca de 50% dos casos a artéria interventricular posterior se anastomosa com a artéria interventricular anterior (ramo da artéria coronária esquerda), na face diafragmática do coração. Na cruz do coração, a artéria coronária direita origina a artéria do nó atrioventricular, em cerca de 80% dos casos.

A artéria coronária esquerda, maior que a direita, origina-se do seio aórtico esquerdo emergindo entre o tronco pulmonar e a aurícula esquerda, ganhando o sulco coronário e contornado a face pulmonar do coração. Após um curto trajeto de sua origem, a artéria coronária esquerda origina as artérias atriais esquerdas, interventricular anterior e a circunflexa. A artéria interventricular anterior desce pelo sulco de mesmo nome, emitindo ramos para a parede anterior de ambos os ventrículos, atravessa a incisura cardíaca, na maioria dos casos, se anastomosando com a artéria interventricular posterior. Emite os ramos septais anteriores, que suprem os 2/3 anteriores do septo interventricular, anastomosando-se com os ramos septais posteriores da artéria coronária direita. Essa anastomose forma uma rede arterial que supre o feixe atrioventricular e seus ramos direito e esquerdo. A artéria coronária esquerda origina a artéria do nó sino atrial em cerca de 42% dos casos estudados por Caetano et al (1992), sendo que 12% se originam diretamente da artéria coronária esquerda e, 30% da artéria circunflexa.

A artéria circunflexa percorre o sulco coronário na face diafragmática do coração, da esquerda para a direita, terminando próximo ao sulco interventricular posterior. Origina a artéria marginal esquerda e o ramo ventricular esquerdo posterior, que suprem a parede do ventrículo esquerdo. Em 20% dos casos, origina a artéria do nó atrioventricular. O ramo diagonal, com origem entre a artéria interventricular anterior e a artéria circunflexa, com trajeto descendente na face pulmonar cardíaca, está presente em 50% dos casos.

As anastomoses entre as artérias coronarianas são pouco desenvolvidas ao nascimento, com o aumento progressivo da idade as anastomoses se aumentam, envolvendo vasos finos formados na gordura epicárdica. Na oclusão lenta de uma artéria coronariana, a circulação colateral pode manter uma perfusão adequada, prevenindo momentaneamente o infarto do miocárdio, entretanto, se a oclusão ocorrer de maneira súbita, o infarto é inevitável. Os locais mais comuns de oclusão das artérias coronarianas e seus ramos são: artéria interventricular anterior (40-50%), artéria coronária direita (30-40%), artéria circunflexa (15-20%) (Moore, 2007).